Processos seletivos podem ser interativos e utilizar técnicas de gamificação  para torna-los mais eficientesProcessos seletivos podem ser interativos e utilizar técnicas para torná-los mais eficientes. 

Nem sempre é possível (re)conhecer as pessoas em uma seleção de talentos tradicional, principalmente quando a posição a ser ocupada depende mais de valores e atitudes do que de conhecimentos técnicos. Nesse caso, fazer a imersão de candidatos em um cenário gamificado, simular situações para vivenciarem conhecimentos e comportamentos, são parte de uma solução para encontrar o perfil ideal: e real!

Desenvolver um processo de seleção bem elaborado, que integre informações técnicas e desafios emocionais, intelectuais, entre tantas outras possibilidades vai extinguir perguntas do tipo: “qual animal você seria”, e mandar para longe respostas aconselhadas pelo Google como a da formiga que gosta de trabalhar.


Conheça a metodologia Preferências Humanas

Leia matéria sobre Os 4 modos de agir no trabalho

A revista Você SA,  do mês de abril de 2015, publicou matéria sobre o estudo de 4 modelos mentais, realizado por Fernando Seacero, da i9Ação. A metodologia Preferências Humanas foi abordada pela jornalista com foco no perfil brasileiro e traz dicas de como as pessoas podem identificar o seu modelo mental para lidar melhor com as pessoas no trabalho.

E saiba mais sobre Preferências Humanas no site da i9Ação 

Leia na íntegra abaixo:


Cat on NotebookAprendizado constante e liderança inspiradora são fatores de engajamento poderosos no ambiente corporativo. É isso que diz o Instituto Gallup, afinal, funcionários precisam perceber que estão aprendendo ou se desenvolvendo. Eles devem se inspirar em grandes líderes e, ao mesmo tempo, ter liberdade comunicativa para se sentirem motivados em seus empregos.

As empresas que precisam reter talentos devem prestar atenção nesses fatores, principalmente em tempos de competitividade acirrada no cenário mundial: além do Instituto Gallup, outros grandes grupos de pesquisa  internacionais, como Towers Watson e Aon, indicam que entre 50% e 85% dos funcionários das empresas em todo o mundo apresentam baixo grau de satisfação com o trabalho, ou que muitas vezes não se traduz apenas em falta de engajamento mas em “desengajamento ativo”, ou seja, funcionários “jogando contra” a própria empresa.


Liderança com técnicas de gamificação

Liderança com técnicas de gamificação

Os jogos utilizam três partes do cérebro, e por isso o uso de algumas técnicas faz com que a atividade gamificada seja envolvente

Quem não se lembra dos primeiros contatos com videogames? A experiência dos games faz com que as pessoas enxerguem de forma diferente os desafios do dia a dia, as sensações de satisfação e ainda relembrem com clareza tanto o conteúdo como a emoção. Por isso, os games atualmente são fonte de inspiração das empresas para engajar colaboradores e gerar um clima colaborativo e de inovação.


2

Antes mais restrita às grandes companhias, a integração dos novos colaboradores vem se espalhando e provando que é uma ferramenta eficiente.

Ela ambienta o colaborador totalmente ao seu trabalho antes dele começar a colocar a mão na massa, o que é diferente de simplesmente apontar-lhe o canto onde deve ficar e dizer “seja bem-vindo ao nosso time!”.


cms-files-3191-1453222787Gestão+de+Pessoas-3975aLiderança, trabalho em equipe, empatia, descoberta individual e entendimento mais profundo de conceitos são exemplos do que pode ser estimulado de forma orgânica e objetiva com jogos corporativos.

A gamificação é a técnica de utilizar conceitos e elementos de jogos em situações cotidianas para mobilizar e engajar pessoas em uma causa comum.