Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero*

Leia também em O Estado de S. Paulo

Um onboarding eficiente sempre foi um desafio para as empresas, principalmente nos últimos anos, com a chegada das novas gerações aos postos de trabalho. Hoje, com a pandemia, acabaram-se ou transformaram-se as integrações, visitas guiadas às unidades fabris ou escritórios, encontros de confraternização entre novatos e veteranos.

Por outro lado, oferecer uma experiência fria e monótona – como as conference calls de horas – é uma tortura para os colaboradores (que recebem e são recebidos), com a certeza de que pouco do conteúdo é absorvido.

Quando a empresa conduz um processo passivo de integração dessa forma, ela perde o engajamento e a atenção das pessoas. Segundo Carmine Gallo, autor de diversos livros sobre a metodologia do TED Talks e storytelling, após 18 minutos de duração, se o tema não for de muito interesse, a mente da pessoa se desconecta do aprendizado. Em poucos minutos, a mente passa a buscar estímulos alternativos, mas você pode mantê-la atenta por meio de atividades, imagens ou histórias.



onboarding

Imagem: Marcus Souza

Você se lembra do seu primeiro dia de trabalho? Teve muita informação para memorizar e aprender logo no começo? Sim, né? Então, deixa a gente te contar uma coisa: se sua empresa tivesse usado uma ferramenta mais lúdica e interativa, todo o processo de onboarding, ou seja, de integração de colaboradores, poderia ter sido muito melhor

Ter todo o potencial de um novo colaborador em ação, no menor espaço de tempo, com todos os alinhamentos feitos. Esse é um dos grandes desafios para as empresas e com certeza é um forte desejo do contratado, independentemente se a contratação é feita para o trabalho presencial ou remoto, de forma on-line.

Para contratante e contratado, é muito importante que a escolha de investir o tempo no processo de onboarding e engajamento traga como resultado uma boa experiência no início do trabalho. É por isso que você vai conhecer agora o que é o onboarding de fato e tudo que precisa saber para ter sucesso nessa etapa.



Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Imagine-se na seguinte situação: é domingo à noite, e você já se prepara mentalmente para realizar o onboarding e receber os recém-contratados na sua empresa, sempre às segundas-feiras. Por conta do distanciamento social ainda necessário, o processo de integração de novos colaboradores tem sido on-line.

Além do desânimo de repetir aquele mesmo discurso há meses ou anos, você também já percebeu que os encontros por ferramentas de videoconferência são muito informativos e pouco engajadores, resultam em reuniões longas, em que as pessoas tendem a dispersar a atenção.

É natural que nem todos os novos colaboradores tenham interesse e paciência para enfrentar algumas horas seguidas de tela, com tanta informação nova chegando.

Mas, para animar este final de domingo da nossa “situação imaginária”, há uma boa notícia (e mais outra) para quem lida diretamente com os profissionais que estão sendo contratados em um cenário de pandemia.