Case Grupo Risotolância

Imagem: Marcus Souza

Com as rotinas de trabalho afetadas pelo Covid-19, empresas apostam em atividades gamificadas para manter os colaboradores motivados

O conceito “gamificação”, já bastante difundido no meio corporativo, teve sua presença intensificada durante a pandemia. Com a Medida Provisória 936, de 1º de abril, surgiram novas possibilidades para o enfrentamento do estado de calamidade pública como o trabalho remoto, a redução de carga horária e as suspensões de contratos, o que levou as organizações a apostarem em plataformas on-line como os aplicativos gamificados. Por meio dos jogos, foi possível manter a produtividade, o espírito de equipe e a comunicação fluida, assim como promover conhecimento, de forma lúdica e divertida.

Nas palavras de Brian Burke, VP do Gartner Group – referência mundial em pesquisa e consultoria – a gamificação consiste no “design de experiências digitais e mecânicas de jogos para motivar e engajar pessoas para que elas atinjam seus objetivos”. A tendência mundial, que invadiu o Brasil nos últimos anos, já é considerada um grande diferencial de mercado aos setores que apostam na ferramenta.

É fato que as tecnologias mobile podem ser grandes aliadas no meio corporativo, no sentido de reduzir custos e melhorar resultados. E com o início da pandemia do Coronavírus, o processo de transformação digital das empresas tornou-se prioridade.