Gamification 3O que saber na hora de investir em integração, já prevendo melhoria de engajamento, diminuição da taxa de turn over e aumento de resultados

Depois de ler aqui no blog AvataRH que o primeiro contato com os novos colaboradores pela organização pode ser muito mais do que apresentar os valores e as estratégias e após receber a série de Gamificação para Integração, é possível dar um passo a mais e decidir pelo modelo ideal para a sua empresa obter os resultados esperados. Por isso, para tirar qualquer resquício de dúvida, vamos descrever nesse post quais são os três formatos de integração existentes no mercado.

Antes de se aprofundar, é importante lembrar que a integração de novos colaboradores não é apenas uma ação de boas-vindas.

O que é e quais são os benefícios

Além de ser uma forma de acelerar a aprendizagem para o entendimento da cultura organizacional, a integração pode fazer com que o funcionário esteja rapidamente trabalhando em seu pleno potencial. Ela também pode ser uma forma de engajamento para aumentar a velocidade na entrega de resultados e reduzir o turn over antes dos três meses.

Uma boa integração de novos colaboradores é também uma ação preventiva, pois quando a “recepção” é feita de forma estratégica, um dos resultados é a prevenção de uma série de problemas vindos da falta de alinhamento e de preparo inicial.

A falta de integração pode causar, por exemplo, o aumento do tempo que o colaborador terá para conseguir entregar todo o seu potencial de trabalho. Ou seja, quanto melhor é a integração, mais rápido ele estará engajado com a cultura organizacional e assim seus resultados estarão mais alinhados com a estratégia da empresa.

O melhor momento para investir em integração

Quando a integração atual da empresa não está engajando os participantes ou simplesmente quando não está em sintonia com os dados e cultura da organização atual, é hora de pensar em renovar. E é aí que você precisa estar preparado para decidir bem entre as opções do mercado, de acordo com a sua expectativa de resultados.

Os três modelos que o mercado oferece

Tradicional

Uma grande quantidade de informações é passada em um ou dois dias por meio de recursos comuns, como apresentações pelo PowerPoint. Para complementar, os gestores de áreas específicas falam sobre histórico da empresa, benefícios, segurança do trabalho e produtos, entre outras informações. Tudo isso acompanhado de um passeio para que o novo funcionário conheça cada área e departamento.

Esse tipo de integração pode ser feito até mesmo pela própria equipe da empresa e, assim, o custo pode ser menor. Mas apenas uma apresentação de PowerPoint faz com que os participantes tenham dificuldade de assimilar todas as informações e colocá-las em prática, gerando retrabalho para o time de Recursos Humanos e também uma desconexão do funcionário em relação aos valores e estratégias da empresa.

Dinâmicas de grupo

Uma versão ampliada da integração tradicional, o modelo com dinâmicas de grupo acrescenta à programação atividades com foco na aprendizagem de competências e valores.

A produção desse tipo de integração pode ser rápida por utilizar recursos pré-definidos para montar um programa. Além disso, o formato é um pouco melhor do que apenas as apresentações de PowerPoint, pois já permite que os participantes se movimentem.

O risco é de ter uma programação não fluida por não haver conexão entre as dinâmicas e os conteúdos.

Gamificação

Todas as informações relevantes são inseridas dentro de uma narrativa, com início, meio e fim. Para dar interatividade ao jogo corporativo, o conteúdo é inserido dentro de uma plataforma física (como um tabuleiro) ou digital (como em um aplicativo). Há ainda a opção híbrida.

O formato gamificado proporciona aos participantes um envolvimento emocional e divertido durante o processo. Entre as histórias, desafios por meio de metáforas e atividades extras, os participantes recebem as informações embutidas, o que gera aprendizado e proporciona a prática de competências e valores.

Durante a jornada do game, vale ressaltar que o processo possibilita a troca de experiências entre os participantes, dando significado ao conteúdo, gerando memória de longo prazo, ou seja, faz com que o conteúdo seja aplicado no dia a dia de trabalho.

Outro diferencial da gamificação é poder escalar a integração de novos funcionários e manter a homogeneidade do formato e do conteúdo, mesmo que a metodologia seja aplicada em diferentes países.

Você já conheceu o modelo gamificado? Deixe aqui o seu comentário sobre a sua experiência com os modelos de integração!

7 E-mails sobre Gamificação da Integração de Novos Colaboradores

One thought on “Saiba a diferença entre os três modelos de integração de novos colaboradores

Leave a Comment