desengajamento dos colaboradores

Imagem: Marcus Souza

A maior incidência de afastamento por problemas psicológicos e o aumento de estresse verificado nos profissionais nas empresas são sinais da diminuição deste quesito “engajamento” nas organizações. A mudança no modelo de trabalho e na vida das pessoas com a pandemia fez com que os gestores precisassem se adaptar e buscassem novas formas de engajar e medir o engajamento

As empresas estão cada vez mais conscientes da importância de possuir colaboradores engajados. Elas sabem que o desengajamento dos colaboradores pode custar muito caro e, por isso, existe grande investimento em treinamentos e benefícios. Mas, em tempos de trabalho on-line e em home-office, como identificar a desmotivação e a falta de comprometimento nas pessoas?

O engajamento é o comprometimento e envolvimento emocional do colaborador com a empresa. Um profissional engajado é entusiasmado com o trabalho e envolvido com as ações que fortalecem a reputação da organização. Mas quando esse envolvimento não existe, o colaborador está desinteressado e isso prejudica o desenvolvimento dele como profissional e o crescimento da empresa. Por isso, é importante identificar quais colaboradores estão desengajados e propor medidas para mudar essa situação.



sipat 2020

Imagem: Marcus Souza

Para todas as empresas que contam com uma CIPA, é preciso realizar anualmente a SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes. Se você já organizou um desses eventos, com certeza sabe que demanda (em um cenário normal) uma série de definições e um extenso processo de organização. Mas como será que as empresas podem realizar a SIPAT 2021?

 

Com a pandemia do novo Coronavírus e a instauração da quarentena em todo o mundo, a SIPAT 2021 precisará ganhar adequações dentro do “novo normal”, que é o trabalho home office, algumas escalas de trabalho reduzidas e regras de distanciamento social, além de dos novos hábitos e padrões de higiene e de segurança. E como fazer a SIPAT 2021 neste contexto?

Apesar das mudanças exigidas agora, o momento só antecipou algumas tendências e acelerou a transformação digital na realidade das empresas. É aproveitando dos pontos positivos que você pode superar os desafios para realizar a SIPAT 2021, e ainda trazer as atualizações da segurança do trabalho necessárias nesse contexto.



Tecnologias ajudam a enxergar o Engajamento

Imagem: Marcus Souza

 

Por Fernando Seacero*

Com o passar dos meses de atividades corporativas prioritariamente on-line, os gestores de RH estão descobrindo na prática que um bom onboarding não pode se limitar a um vídeo de boas-vindas e uma sequência de aulas ou apresentações gravadas. Os reflexos dessa situação já mostram que este formato impossibilita um ponto crucial do processo: que seu departamento consiga enxergar de fato a pessoa, entender como ela está indo e qual o seu desempenho.

Como as empresas exigem cada vez mais agilidade e efetividade no processo de integração de novos colaboradores, é imprescindível que o RH consiga acompanhar de perto e em tempo real a evolução de cada pessoa no fluxo de treinamentos. Se não enxerga, a probabilidade de o novo integrante se perder é muito grande.



SIPAT

Imagem: Marcus Souza

Exemplos como a SIPAT têm sido um desafio do mercado para promover aprendizagem, eventos e comunicação

Já que não podemos formar aglomerações em espaços físicos na educação corporativa, o caminho para quem precisa promover um evento como SIPAT nos indica inovar com soluções e ferramentas digitais.

Por isso, preparamos para você um compilado de materiais que abordam os desafios e as soluções para ajudar nessa realização digital 😉

Aproveite o máximo acessando o conteúdo pelo índice ao lado ou nos materiais abaixo!



sipat 2020

Imagem: Marcus Souza

Para todas as empresas que contam com uma CIPA, é preciso realizar anualmente a SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes. Se você já organizou um desses eventos, com certeza sabe que demanda (em um cenário normal) uma série de definições e um extenso processo de organização. Mas como será que as empresas podem realizar a SIPAT 2020?

 

Com a pandemia do novo Coronavírus e a instauração da quarentena em todo o mundo, a SIPAT 2021 precisará ganhar adequações dentro do “novo normal”, que é o trabalho home office, algumas escalas de trabalho reduzidas e regras de distanciamento social, além de dos novos hábitos e padrões de higiene e de segurança. E como fazer a SIPAT 2020 neste contexto?

Apesar das mudanças exigidas agora, o momento só antecipou algumas tendências e acelerou a transformação digital na realidade das empresas. É aproveitando dos pontos positivos que você pode superar os desafios para realizar a SIPAT 2020, e ainda trazer as atualizações da segurança do trabalho necessárias nesse contexto.

+ Leia também Ebook: 5 ações que não podem faltar na organização da sua SIPAT DIGITAL

Confira agora como superar 6 principais dificuldades de realizar o SIPAT em 2020 e melhorar o que já precisava de uma modernização. Vamos apresentar alguns pontos sobre soluções digitais para um SIPAT de sucesso.



jornadas de aprendizagem que engajem o vendedor

Imagem: Marcus Souza

Se você é responsável por decidir e atualizar os métodos e formatos de treinamento das equipes de Vendas da sua empresa, já sabe que as pessoas têm cada vez menos paciência e tempo livre para ficar sentadas em frente a um computador durante horas fazendo um curso

Estamos permanentemente buscando novas formas mais eficientes e ágeis de transmitir conhecimento, principalmente se for on-line. A aprendizagem nesse universo cada vez mais digital passa a andar de mãos dadas com atividades sociais, como em uma rede social, que atrai a pessoa para aquele ambiente por ser um momento divertido (enquanto aprende e adquire conhecimento).

Não basta ter a tecnologia, a plataforma, a metodologia, é preciso também construir as jornadas de aprendizagem de uma forma instigante! Quando o treinamento é para vendedores, temos em mente que eles vão aproveitar aqueles cinco minutinhos em uma sala de espera ou entre duas reuniões para acessar o conteúdo: e isso precisa ser estimulante, simples, prático – melhor ainda se estiver em um formato fácil de entender.

Afinal, precisamos tornar possível que a aquisição de novos conhecimentos seja uma atividade contínua, o lifelong learning. Por isso, preparamos algumas dicas de como montar os treinamentos dentro da Academia Digital de Vendas para ter mais engajamento.



Assista o vídeo acima ou leia os melhores momentos do primeiro episódio da série de Webcast – Erros e Acertos da Aprendizagem Digital. No bate-papo, Fernando Seacero, fundador da i9Ação, entrevista Bruno Leão, coordenador de Treinamento e Desenvolvimento do Grupo Disal, formado por três empresas: corretora de seguros, tecnologia e consórcio

A ideia da série Erros e Acertos da Aprendizagem Digital é apresentar a experiência de um executivo do mercado, mostrar aquilo que é aplicado e como é que se faz no dia a dia. Como explica Fernando Seacero, “na trincheira, mostrar o que funciona e o que não funciona também”.

Assista ao bate-papo com a DISAL em vídeo ou leia aqui os melhores momentos de Bruno Leão nessa conversa abaixo, onde Bruno Leão conta um pouco de sua história e de como chegou aonde está, além da experiência como gestor 100% envolvido na melhoria dos processos de aprendizagem corporativa no grupo DISAL.



3 potencializadores da aprendizagem

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero*

Com a pandemia que vivemos hoje, a humanidade se depara com desafios complexos, principalmente na área da saúde, mas também em outras, como educação e aprendizagem. Enquanto a crise traz a oportunidade de rever o modelo de vida adotado e como nossas escolhas impactam o planeta e todos os seres que aqui habitam, a busca por soluções é alavancada em todos os setores de nossas vidas

No âmbito corporativo, existe hoje uma grande necessidade de tornar mais eficaz o canal de comunicação, aprendizagem e engajamento entre departamentos e colaboradores. A digitalização às pressas mostrou a necessidade de utilizar as melhores metodologias e ferramentas nos treinamentos, mas, mesmo antes da pandemia, a aprendizagem exclusivamente presencial em sala de aula e os EADs tradicionais já se mostravam ineficazes.

Então, como adequar a aprendizagem para que os colaboradores consigam aprender mais e melhor?

Hoje em dia, ninguém pode menosprezar o tempo, a capacidade e as decisões. É preciso ir atrás daquilo que é importante para você, para a empresa, para o colaborador.

Diante dos desafios citados, conheça três formas de potencializar e acelerar a aprendizagem, válidas para você conhecer e aplicar como indivíduo, ou para melhorar os treinamentos nas empresas.



criar uma Academia Digital de Vendas

Imagem: Marcus Souza

Treinamentos para formação ou atualização de vendedores como uma Academia Digital de Vendas precisam engajar para serem eficientes, funcionarem por mais tempo e, realmente, impactarem os resultados. Hoje, muitas empresas ainda erram ao entregar um formato em que o participante tem acesso a muito conteúdo e pouca interatividade. O aprendizado é sério, mas tem que ser divertido.

Vendedores não têm tempo para complicação nem paciência para conteúdo chato. Por isso, os treinamentos são muito mais atraentes quando envolvem facilidade e agilidade, ou seja, o conteúdo deve estar na palma da mão, ser divertido e instigante, rápido e fácil. Além disso, a ferramenta utilizada precisa ser intuitiva e se tiver uma interface similar à das redes sociais será ainda mais atraente e gostosa de usar.

Plataformas gamificadas e digitais já são desenvolvidas pensando nesse desafio, elas podem ser como um aplicativo para celular totalmente personalizado com a marca e conteúdo da empresa, por exemplo. Portanto, o mais indicado é que a equipe tenha acesso pelo tablet ou smartphone, o que é essencial para uma função que atua em mobilidade: enquanto aguarda uma reunião, usa alguns minutos para “jogar” no App.

Para esse público é melhor evitar o desenvolvimento de treinamentos que precisam ser realizados em um computador.

 

A facilidade de gestão da ferramenta



Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero*

Leia também em O Estado de S. Paulo

Um onboarding eficiente sempre foi um desafio para as empresas, principalmente nos últimos anos, com a chegada das novas gerações aos postos de trabalho. Hoje, com a pandemia, acabaram-se ou transformaram-se as integrações, visitas guiadas às unidades fabris ou escritórios, encontros de confraternização entre novatos e veteranos.

Por outro lado, oferecer uma experiência fria e monótona – como as conference calls de horas – é uma tortura para os colaboradores (que recebem e são recebidos), com a certeza de que pouco do conteúdo é absorvido.

Quando a empresa conduz um processo passivo de integração dessa forma, ela perde o engajamento e a atenção das pessoas. Segundo Carmine Gallo, autor de diversos livros sobre a metodologia do TED Talks e storytelling, após 18 minutos de duração, se o tema não for de muito interesse, a mente da pessoa se desconecta do aprendizado. Em poucos minutos, a mente passa a buscar estímulos alternativos, mas você pode mantê-la atenta por meio de atividades, imagens ou histórias.