Jogos de Segurança do Trabalho: afinal, essa bagaça funciona? (+ BÔNUS)

Descubra porque a aplicação de jogos de segurança do trabalho pode ser um caminho divertido e mais eficiente

accomplishment-achievement-adults-1059118Descubra porque a aplicação de jogos de segurança do trabalho pode ser um caminho divertido e mais eficiente de treinar seus colaboradores para o dia a dia

Você é daqueles que acham que brincadeira e trabalho não combinam? Pois bem: e se a gente te disser que jogar pode ser a melhor estratégia para engajar e treinar sua equipe e,  além disso, para manter os riscos de sua operação mais longe, hein?

É exatamente isso! Hoje, o AVATARH vai trazer exemplos práticos sobre porque a gamificação funciona nos treinamentos de segurança corporativa!

Quer ver? Vamos lá!

#1. Porque os games funcionam como treinamento?

Para alguns segmentos, os treinamentos devem seguir à risca a lei da indústria. Por exemplo: quem trabalha com operações de alto risco ou que envolvam o meio ambiente, precisam obedecer um calendário rigoroso, com dezenas de horas de capacitação todos os anos.

Mas vamos combinar: explicar sempre a mesma coisa acaba cansando. Certo?

Isso quer dizer que seu colaborador poderá perder o interesse e o engajamento – caso seu processo de orientação não seja capaz de atrair a atenção.

E é justamente aí que a aplicação dos games faz toda a diferença: com eles, sua empresa passa a disseminar o conteúdo de uma forma mais interativa e divertida e sem abrir mão da capacidade de analisar a aprendizagem e o desenvolvimento da equipe.

#2. Quais os benefícios dos jogos de segurança do trabalho?

Existem várias formas de se aplicar games para segurança do trabalho. O que todas as plataformas têm em comum, porém, é o objetivo de ajudar a fixar processos e informações essenciais para a prevenção de acidentes.

O uso de jogos permite, por exemplo:

  • Treinar os colaboradores;
  • Fortalecer a cultura de segurança na empresa;
  • Avaliar o desenvolvimento da equipe;
  • Tangibilizar o impacto dos acidentes para o negócio e para as pessoas;
  • Entregar conhecimento completo de forma simples, lúdica e rápida;
  • Praticar intervenções de segurança e para prevenção de acidentes;
  • Oferecer aprendizado na prática para o trabalho do dia a dia;
  • Melhorar o desempenho e a confiança dos profissionais envolvidos;
  • Engajar e atrair a atenção do colaborador para todas as etapas;
  • Fixar o conteúdo por meio de metodologia de memória de longo prazo; 

#3. OK. E como funcionam os jogos de segurança do trabalho?

Lembra daquelas fases do Mário (ou do Candy Crush) que você sofria para chegar ao fim da tela?

Então: no fim, você não precisou pular precipícios e nem mexer com bombas para aprender a melhor estratégia para resolver os desafios. Só foi preciso repetição e treino.

O jogo de segurança do trabalho funciona (quase) do mesmo jeito.

Com uma solução gamificada, a criatividade do seu colaborador é estimulada e ele ganha experiência para encontrar as melhores saídas e técnicas.

Na prática, existem vários modelos de games de segurança do trabalho. Entre eles:

1) Mapa de aprendizagem: focada na visão sistêmica, essa versão de jogo permite que os funcionários entendam a operação como um todo, vendo em detalhes como cada indivíduo contribui para o resultado geral.

2) Jogos de Produção: preocupados com os detalhes e minucias da ação diária, estes games são baseados em “causas e consequências”, mostrando o passo a passo completo da operação. Estes são os jogos de segurança que focam no trabalho individual!

3) Tomada de Decisão: alimentar a agilidade também é um dos retornos que você pode ter com os games. Neste modelo, por exemplo, é possível estimular a rapidez de pensamento e a otimização do dia a dia, com a valorização da autonomia individual e coletiva.

  • Você pode conferir alguns dos exemplos desenvolvidos pela i9Ação clicando aqui.

Isso quer dizer o seguinte: o jogo corporativo simplifica o treinamento prático. É possível fazer a mesma tarefa quantas vezes forem necessárias – sem prejuízo ou risco à operação e nem ao colaborador.

#4. Investir em gamificação ou no treinamento tradicional?

A gamificação torna possível analisar minuciosamente o conhecimento do “jogador”, ao mesmo tempo que reforça o protagonismo da ação individual.

Afinal, ao usar um game sua empresa está andando em um processo de sensibilização que visa transformar o tema do treinamento em uma ação coletiva! E é isso, no fim, o que um game ajuda sua empresa a alcançar é: mais interdependência e resultado!

Ou seja: ao contrário daqueles treinamentos maçantes, em que todo mundo pode cochilar, o game coloca o usuário no centro das atenções – e simplifica o resultado no final! 

E lembre-se: quanto mais confiante e preparado seu colaborador estiver, mais eficiente será seu trabalho.

Quer saber mais sobre a aplicação de jogos de segurança do trabalho? Então, a i9Ação tem um convite para você: terça, dia 22 de maio de 2018, às 8h, vamos realizar o 1º Workshop do Safety Box. O encontro é GRATUITO e você pode se cadastrar aqui

Lá, vamos falar sobre gamificação aplicada em treinamentos e programas de prevenção de acidentes. E, claro, nos divertir muito!Safety_Box_LinkedIn

Deixe um comentário