Tecnologias ajudam a enxergar o Engajamento

Imagem: Marcus Souza

 

Por Fernando Seacero*

Com o passar dos meses de atividades corporativas prioritariamente on-line, os gestores de RH estão descobrindo na prática que um bom onboarding não pode se limitar a um vídeo de boas-vindas e uma sequência de aulas ou apresentações gravadas. Os reflexos dessa situação já mostram que este formato impossibilita um ponto crucial do processo: que seu departamento consiga enxergar de fato a pessoa, entender como ela está indo e qual o seu desempenho.

Como as empresas exigem cada vez mais agilidade e efetividade no processo de integração de novos colaboradores, é imprescindível que o RH consiga acompanhar de perto e em tempo real a evolução de cada pessoa no fluxo de treinamentos. Se não enxerga, a probabilidade de o novo integrante se perder é muito grande.



Assista o vídeo acima ou leia os melhores momentos do primeiro episódio da série de Webcast – Erros e Acertos da Aprendizagem Digital. No bate-papo, Fernando Seacero, fundador da i9Ação, entrevista Bruno Leão, coordenador de Treinamento e Desenvolvimento do Grupo Disal, formado por três empresas: corretora de seguros, tecnologia e consórcio

A ideia da série Erros e Acertos da Aprendizagem Digital é apresentar a experiência de um executivo do mercado, mostrar aquilo que é aplicado e como é que se faz no dia a dia. Como explica Fernando Seacero, “na trincheira, mostrar o que funciona e o que não funciona também”.

Assista ao bate-papo com a DISAL em vídeo ou leia aqui os melhores momentos de Bruno Leão nessa conversa abaixo, onde Bruno Leão conta um pouco de sua história e de como chegou aonde está, além da experiência como gestor 100% envolvido na melhoria dos processos de aprendizagem corporativa no grupo DISAL.



Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Imagine-se na seguinte situação: é domingo à noite, e você já se prepara mentalmente para realizar o onboarding e receber os recém-contratados na sua empresa, sempre às segundas-feiras. Por conta do distanciamento social ainda necessário, o processo de integração de novos colaboradores tem sido on-line.

Além do desânimo de repetir aquele mesmo discurso há meses ou anos, você também já percebeu que os encontros por ferramentas de videoconferência são muito informativos e pouco engajadores, resultam em reuniões longas, em que as pessoas tendem a dispersar a atenção.

É natural que nem todos os novos colaboradores tenham interesse e paciência para enfrentar algumas horas seguidas de tela, com tanta informação nova chegando.

Mas, para animar este final de domingo da nossa “situação imaginária”, há uma boa notícia (e mais outra) para quem lida diretamente com os profissionais que estão sendo contratados em um cenário de pandemia.



Como entender a BioAprendizagem e o ensino eficiente? O TED Talks explica!

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Entenda a metodologia BioAprendizagem de uma vez por todas. Como? A estrutura do TED Talks pode ser uma ótima forma de explicar. Confira!

Num ambiente passivo de aprendizagem, a retenção do conteúdo é no máximo entre 5 e 9% do que está sendo passado. No espaço com mais interação, num ambiente que possa gerar engajamento, a diferença é brutal, chegando a 40 ou 50%. Quando falamos sobre o envolvimento dos três cérebros na aprendizagem (BioAprendizagem), a taxa de aproveitamento do conteúdo estudado chega a 90%.

A BioAprendizagem tem como missão, além de ensinar, engajar e instigar o aluno à ação. Seu potencial de ensino é eliminar a relação fria do conteúdo, tutor e aluno, em aulas massantes que acabam não tendo aprendizagem nem resultados. E como ela consegue atingir seu objetivo? Pela aprendizagem que deve envolver as três partes do cérebro, Neocórtex, Límbico e Reptiliano, ou seja, a parte racional e lógica, a parte emocional e a parte motora.



3 formas especiais de potencializar e acelerar o aprendizado na sua empresaImagem: Marcus Souza 

Por Fernando Seacero

Continuando nosso papo sobre como a crise pode permitir que o ensino on-line seja mais eficiente, por conta do cenário mundial estar mudando cada vez mais rápido, você já deve ter percebido que as pessoas também precisam adquirir conhecimentos, competências e habilidades num ritmo quase inimaginável. A velocidade das coisas demanda que as pessoas sejam mais produtivas até mesmo para aprender!

A necessidade de dedicar meio dia por semana ou 25 dias por ano para aprender não significa que a pessoa deva estar presencialmente em alguma instituição ou escola. Provavelmente, ela fará isso on-line, de casa, no celular, no tablet ou em outro dispositivo. A aprendizagem digital é uma tendência, mesmo depois que a pandemia passar (você pode conhecer mais sobre o tema na pesquisa da Deloitte).



APRENDIZAGEM DIGITAL NA RETOMADAImagem: Marcus Souza 

Por Fernando Seacero

Há algum tempo, li o livro Sapiens – Uma breve história da humanidade, de Yuval Harari. Um dos pontos que mais chamou minha atenção foi como ele destacou o fato de a humanidade ter superado uma série de problemas mundiais nos últimos 100 anos. O autor cita a melhoria de diversos desafios relacionados à saúde e ao bem-estar da sociedade como vacinas, novos tratamentos, erradicação de doenças, anestésicos, entre outros avanços.

Com a pandemia que vivemos hoje, o mundo se vê novamente diante de desafios complexos, principalmente na área da saúde, mas também na educação e aprendizagem. Nesse momento, existe uma grande oportunidade de rever o modelo de vida adotado pela humanidade, como isso impacta na questão da saúde do planeta e de todos os seres que aqui habitam.

E claro, essa crise alavanca também a busca – e pressa – pelas melhores formas de tornar a aprendizagem eficaz, seja ela disponibilizada presencial ou digitalmente. E é sobre a aprendizagem digital na retomada que vamos falar nos artigos desta Série Aprendizagem Digital na Retomada aqui no Blog Avatarh!



Para destacar sua empresa no mercado, uma necessidade é ter um quadro de colaboradores altamente capacitado – e engajado. Melhor ainda se finalizar o ano com o balanço “melhor do que a encomenda” e começar a nova jornada com o plano estratégico bem alinhado e os conteúdos bem nivelados

Para reservar seu lugar ao sol é preciso usar as melhores metodologias para engajar os funcionários e potencializar a aprendizagem. Mas como fazer isso e quais metodologias escolher para acertar? Sabendo que as metodologias convencionais não estão tendo boa efetividade, hoje, o Blog AvataRH veio explicar NA PRÁTICA sobre a adoção de ferramentas inovadoras!

Então se você quer saber como um aplicativo gamificado contribui para engajar funcionários e potencializar a aprendizagem, você tem duas missões:

1 – Continue lendo e entenda como jogar o i9 Challenge. Experiencie e saiba como o app gamificado pode se aplicar em sua empresa.

2 – Disponível para quem quiser baixar e conhecer um modelo de game corporativo para aprendizagem! Você já baixou o i9 Challenge? Você pode encontrá-lo no Google Play ou na Apple Store;



Case JPR gamificaçãoNavegação intuitiva, interação com palestras e agenda personalizada são alguns dos recursos utilizados no aplicativo da Jornada Paulista de Radiologia

Como manter a atenção de mais de milhares de pessoas, durante 4 dias de palestras e congressos? Simples: oferecendo uma experiência diferenciada, e gamificada, por meio de um aplicativo para eventos!

Essa foi a estratégia que a i9Ação usou para ampliar o engajamento dos visitantes da Jornada Paulista de Radiologia (JPR), promovido pela Sociedade Paulista de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (SPR), em São Paulo. O encontro é consolidado no segmento de radiologia e que tem crescido a cada ano.

Quer saber como foi? Então, confira:



blur-board-game-cards-776654Descubra como o pessoal da i9Ação ajudou a ADP a criar seu jogo corporativo para 100 mil colaboradores no Brasil, América Latina e EUA

Quem já teve de fazer uma apresentação, por menor que tenha sido, sabe bem como é difícil atrair e prender a atenção das pessoas. Imagina, então, pensar no treinamento para uma empresa grande, com mais de 100 mil colaboradores…



Aumentar as vendas com Gamificação: afinal, porque essa bagaça funciona?

“Jogos corporativos de aprendizagem parecem ótimos. Mas como podem aumentar as vendas de uma empresa?”.

Esta é uma das perguntas que a gente mais escuta, sabia? E para respondê-la, em detalhes, nós fomos atrás e fizemos este super bate-papo com Fernando Seacero, sócio-fundador da i9Ação, que nos contou o seguinte:

Indo direto ao ponto: por que a gamificação ajuda uma empresa a ter melhores resultados?

A gamificação permite que todos os colaboradores da área de relacionamento ou vendas possam ver e entender como está a performance de toda equipe e o seu próprio desempenho.