Entenda porque o uso de soluções gamificadas tem sido a grande aposta dos setores de recursos humanos na hora de recrutar

Alguns candidatos precisam driblar o nervosismo e a ansiedade, o que é comum em um processo de seleção. Já outros fazem tantos testes que não conseguem nem pensar em passar novamente pelas mesmas fases dos métodos tradicionais. Estas são apenas duas das situações que podem ser resolvidas pela gamificação na área de atração e seleção de talentos

Sabemos que questionários longos, dinâmicas em grupos, assessment, testes de personalidades e raciocínio lógico costumam ser práticas “pra lá” de conhecidas por candidatos e recrutadores. É por isso que as empresas estão em busca de soluções inovadores e mais eficientes na hora de recrutar. 



Se você já pesquisou sobre a importância da gamificação no ambiente corporativo, certamente, já se deparou com o Challenge. Ele é um jogo digital personalizado para atingir o objetivo da sua empresa -inclusive aquelas de mais urgência que precisam começar ainda este ano

O Challenge envolve o seu time interno com o tema da sua escolha, servindo de maneira lúdica e interativa para a aceleração da aprendizagem da sua equipe, enquanto também gera engajamento emocional, captura dúvidas em relatórios, e levanta os pontos de mais interesse dos usuários.

Achou interessante? Então, venha conosco e descubra agora mesmo 7 razões para você investir no Challenge ainda este ano! Entre elas, você vai ver alguns dos objetivos que podem ser customizados e alcançados:

1. Promove a integração dos colaboradores



challenge-connected-connection-1080852

Fernando Seacero, sócio-fundador da i9Ação, coordena espaço LabDigital, criado para levar reflexões sobre a área de recursos humanos de maneira totalmente inovadora ao CONARH 2018

As áreas de RH e tecnologia caminham de mãos dadas. É isso que o LabDigital, uma das grandes novidades da 44º edição do CONARH 2018 (maior congresso de Gestão de Pessoas da América Latina), vai mostrar. Afinal, se a era digital chegou para trazer melhorias nas empresas, por que a gestão de pessoas não pode fazer parte dela?