habilidades em escala

Imagem: Marcus Souza

Como desenvolver competências e habilidades neste mundo sem tempo, e com vários estímulos que competem com a aprendizagem

Apesar do enorme progresso feito no aprendizado corporativo, a construção de habilidades e competências em escala é um desafio atual. Esse cenário em que os líderes de RH e executivos de aprendizagem precisam e querem ensinar coincide com o de precisar e querer aprender do outro lado.

Estes dois pontos encontram-se em um tempo e espaço onde habilidades e competências novas são necessárias.

Os recursos que cada funcionário precisa para ter um bom desempenho e para cumprir as demandas do universo dos negócios estão em constante mudança. No ângulo dos líderes responsáveis por manter os colaboradores preparados, a boa notícia é que a constante aprendizagem é um dos três principais motivos e alavancadores de engajamento para todos os níveis e idades dentro de uma organização:

Enquanto isso, os resultados de engajamento não são como o esperado pelo investimento feito em plataformas LMS, LXP e outros tipos de treinamentos direcionados para Aprendizagem e Desenvolvimento.



Imagem: Marcus Souza

Faça com que os colaboradores se interessem pelo o que você precisa obrigatoriamente ensinar para eles sobre Ética e Compliance, e ainda tenha as evidências da realização dos treinamentos na sua mão

Você sabia que os adultos só aprendem o que eles querem e, se o processo não engajar, não há lembrança que permaneça?

Sim, ensinar o Código de Ética e Compliance para os colaboradores é apenas um dos desafios nas empresas. Sabemos que você tem o intuito de levar as equipes para o treinamento da maneira mais feliz e fluida possível. Além disso, é preciso ensinar, testar, mensurar e comprovar esse conhecimento adquirido por todos eles.

É por isso mesmo que a gamificação é uma iniciativa que faz tanto sucesso nas corporações para acelerar a aprendizagem e também para gerar memória de longo prazo (lembrar do que foi aprendido para colocar em prática no dia a dia de trabalho). Inclusive, ele nem vai perceber que está aprendendo — enquanto se diverte em um game digital de aprendizagem. 

Vale ressaltar que ela também precisa ser bem feita, divertida e alinhada com o objetivo do projeto, é claro!

Nos Estados Unidos, por exemplo, a gamificação já é uma realidade para diversas empresas, como McDonald’s, Lego e Coca-Cola. Já no Brasil, está sendo explorada, por diversas organizações, como Totvs, Algar Tech e SAP. E a tendência é expandir ainda mais nos próximos anos.



semana de compliance

Imagem: Marcus Souza

Implementar um game personalizado para a Semana de Compliance da sua empresa é uma excelente estratégia para melhorar a experiência para o colaborador e também criar uma imagem positiva do evento. Saiba como o processo, o time e a expertise da i9Ação ajudam a sua empresa a ter o evento de ética e Compliance dos sonhos de qualquer gerente!

Gerar uma experiência positiva com a obrigatoriedade da Semana de Compliance é um desafio antigo, mas cada vez mais urgente. O treinamento de Ética e Compliance pode ganhar o gosto dos colaboradores se for pensado para isso. É obrigatório sim, e também pode ser legal! Mas como?

Se você não aguenta mais enfrentar o olhar pesado pelos corredores na época do treinamento sobre o código de ética, venha conhecer as opções de gamificação que podem ensinar o conteúdo, avaliar, fixar e ainda deixar ele mais POPULAR entre os colaboradores.

Criar uma gamificação bem feita pode (e deve) mudar a visão das pessoas sobre a área de Compliance. Muito mais do que isso, ter o conteúdo de Ética e Compliance mais vivo na memória do colaborador tem um impacto tremendo que, por enquanto, só você sabe.

Então leia este material para conhecer mais sobre como as opções de gamificação (desde a mais simples até a mais robusta) podem resolver a aprendizagem e o engajamento das pessoas com a Semana de Compliance!

 



Imagem: Marcus Souza

Neste artigo, Fernando Seacero, fundador da i9Ação, conta sobre os perrengues de aplicar treinamentos em Compliance antigos e chatos, e diz que é possível montar uma versão muito mais legal desse treinamento obrigatório

 

Por Fernando Seacero

Um dos primeiros estudos sobre memória e esquecimento foi criado em 1885 por Hermann Ebbinghaus, psicólogo alemão pioneiro em estudos da memória. Ele criou uma representação gráfica da curva de esquecimento.

A curva de esquecimento aponta que quanto mais o tempo passa, mais nos esquecemos do que foi estudado. Mas ela também mostra o quão impactante é a recapitulação após uma hora, um dia, uma semana e um mês para mantermos o conteúdo na memória.



ebook onboarding

Imagem: Marcus Souza

Encontrar uma solução que integre engajamento, divertimento, aprendizado e resultado é cada vez mais urgente! Afinal, o furacão dos tempos atuais transformou muito mais do que o ambiente de trabalho ou a forma de se comunicar com os novos colaboradores. 

Você já pensou sobre como adotar a gamificação para integrar novos colaboradores na sua empresa?

A gamificação para o onboarding é ideal para quem quer melhorar o engajamento das pessoas e os resultados na aprendizagem delas. É uma metodologia que proporciona uma experiência digital realmente imersiva, por meio de um storytelling desenvolvido em sinergia com a cultura do cliente. 

Então, o novo colaborador tem a oportunidade de explorar e aprender de uma forma envolvente uma série de assuntos importantes — como código de ética, cultura, diversidade, segurança, conduta, dentre outros. 

Além de deixar o cérebro mais apto para a aprendizagem, a gamificação para o onboarding da empresa gera emoção e permite estabelecer laços de confiança.

Foi para aprofundar este assunto sobre onboarding que elaboramos este eBook.



5s gamificado

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Como a Gamificação pode consolidar o processo de aprendizagem e engajamento de todos com a metodologia 5S

A primeira vez que tive contato com a metodologia dos 5S trabalhava em uma grande empresa, e o Diretor de RH era um grande estudioso de metodologias inovadoras.

Nós fomos convidados a participar de um grupo de estudos dentro da empresa, que acontecia semanalmente, para estudar tanto metodologias como casos utilizados em empresas no Japão, que estavam gerando resultados extraordinários.

As empresas japonesas traziam metodologias e conceitos revolucionários que não só aumentavam a produtividade, como também melhoravam a qualidade. E, porque não, ampliavam o bem estar no ambiente de trabalho.

Os anos se passaram e uma dessas metodologias que se consolidaram é a dos 5S. Ela se traduz de forma simples (com total liberdade interpretativa aqui) como:

·         SEIRI – Senso de Utilização

·         SEITON – Senso de Arrumação

·         SEISO – Senso de Limpeza

·         SEIKETSU – Senso de Padronização e Saúde

·         SHITSUKE – Senso de Disciplina e Autodisciplina

Estes 5 conceitos trazem grandes benefícios se aplicados e mantidos vivos dentro da organização.



Onboarding e reboarding

Imagem: Marcus Souza

Se você ainda não implementou a gamificação nos processos de onboarding e reboarding na sua empresa porque está com algum tipo de receio, saiba que não está sozinho. Muitas pessoas e empresas ainda sentem medo na hora de apostar na tecnologia, na criatividade e na inovação dos seus processos

Fugir do tradicional, inovar, apostar em tendências…Tudo isso exige uma nova mentalidade e tempo de amadurecimento da ideia. Porém, temos certeza de que, se você apostar em um game para o onboarding e reboarding, não irá se arrepender.

“O onboarding e reboarding gamificado é uma oportunidade para relembrar as pessoas do propósito da organização, tornando o processo de aprendizagem muito mais fácil, envolvente e interessante”, destaca Fernando Seacero, fundador da i9Ação.

Por isso, o reboarding gamificado é uma ideia inteligente, pois faz com que os colaboradores (novos e antigos) possam interagir mais, desafiarem-se com as missões que existem no jogo, trocar mensagens e aprender juntos.

Gostou? Então, vem com a gente, aprenda mais e se livre do medo de investir em processos prósperos, modernos, criativos, únicos e diferenciados. Vamos lá?

 



o que é reboarding

Imagem: Marcus Souza

Certamente, você está acostumado com o termo “onboarding”, onde trabalhamos uma série de técnicas para integrar novos colaboradores. Porém, você já ouviu falar e sabe o que é reboarding?

Reboarding é um conceito novo que surgiu com a necessidade das empresas de se adaptarem ao novo cenário complexo que a pandemia desencadeou (principalmente com as adequações do trabalho home office e digitalização).

A ideia é: vamos aproveitar o que estamos elaborando para os novos colaboradores (onboarding) e adaptar para os colaboradores atuais. Assim, é possível mantê-los engajados com a organização e retomar conceitos como: valores, cultura, missão, visão, ética, compliance, dentre outros.

Agora que você já sabe porque o reboarding é a maneira de conectar os colaboradores aos novos tempos, vamos aprender mais sobre o que é reboarding. Venha conferir como ele pode ser uma ótima estratégia para o crescimento e desenvolvimento da sua empresa no mercado. Continue conosco!

 

O que é reboarding e como essa ideia surgiu?

Antigamente, o onboarding funcionava totalmente de forma presencial: a empresa agendava o Dia do Onboarding e, assim, os participantes ficavam de 4 horas a 2 dias em uma sala vendo uma apresentação (interminável) de conteúdos.

Quando os funcionários passam por essa experiência, eles não retêm muitos conhecimentos e, dias depois, provavelmente não se lembram de muitas informações importantes para seu trabalho. 

E o resultado?

O RH e as lideranças são bombardeados por perguntas sobre temas que já foram abordados anteriormente ou, pior, por não querer perguntar, o novo colaborador acaba demorando muito mais tempo para se adaptar na cultura e flow da empresa.



Revista Proteção SIPAT

Imagem: Marcus Souza

A edição nº 361 da Revista Proteção, publicação mensal especializada em Saúde e Segurança do Trabalho, trouxe em janeiro de 2022 uma nota destacando a plataforma gamificada para a realização da SIPAT, desenvolvida pela i9Ação. 

O texto indica que, segundo Fernando Seacero, fundador da i9ação, a demanda por esse tipo de solução de aprendizagem e engajamento para SIPAT digital cresceu muito nos últimos dois anos. Isso ocorre pela aderência que existe, principalmente, para o público de grandes operações.



REBOARDING

Imagem: Marcus Souza

Por: Fernando Seacero

O onboarding de novos colaboradores foi uma das rotinas da gestão de pessoas que precisou ser reinventada com a pandemia, abrindo a possibilidade para o modelo on-line e metodologias diferenciadas, como a gamificação.

De algo obrigatório e sonolento, cada vez mais as organizações descobrem que é possível sim transformar a extensa aprendizagem das boas-vindas da empresa em um processo mais rápido e divertido, muito menos exaustivo.

E, se quem entra na empresa pode se familiarizar com cultura nova, conteúdo e regras corporativas específicas de uma maneira diferente, por que não replicar o modelo de aprendizagem sobre a empresa para quem já faz parte do quadro de funcionários?

Foi assim que nasceu o conceito de reboarding.

Pouco conhecido no Brasil, o reboarding pode ser traduzido como um processo de reintegração. Envolve ensinar, atualizar ou relembrar um conteúdo para o colaborador, garantindo que todos estejam na mesma página, incluindo aqueles que estão fisicamente a milhares de quilômetros.

 

O reboarding pode ser utilizado nos mais diversos fins de aprendizagem, como: