5s gamificado

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Como a Gamificação pode consolidar o processo de aprendizagem e engajamento de todos com a metodologia 5S

A primeira vez que tive contato com a metodologia dos 5S trabalhava em uma grande empresa, e o Diretor de RH era um grande estudioso de metodologias inovadoras.

Nós fomos convidados a participar de um grupo de estudos dentro da empresa, que acontecia semanalmente, para estudar tanto metodologias como casos utilizados em empresas no Japão, que estavam gerando resultados extraordinários.

As empresas japonesas traziam metodologias e conceitos revolucionários que não só aumentavam a produtividade, como também melhoravam a qualidade. E, porque não, ampliavam o bem estar no ambiente de trabalho.

Os anos se passaram e uma dessas metodologias que se consolidaram é a dos 5S. Ela se traduz de forma simples (com total liberdade interpretativa aqui) como:

·         SEIRI – Senso de Utilização

·         SEITON – Senso de Arrumação

·         SEISO – Senso de Limpeza

·         SEIKETSU – Senso de Padronização e Saúde

·         SHITSUKE – Senso de Disciplina e Autodisciplina

Estes 5 conceitos trazem grandes benefícios se aplicados e mantidos vivos dentro da organização.



Onboarding e reboarding

Imagem: Marcus Souza

Se você ainda não implementou a gamificação nos processos de onboarding e reboarding na sua empresa porque está com algum tipo de receio, saiba que não está sozinho. Muitas pessoas e empresas ainda sentem medo na hora de apostar na tecnologia, na criatividade e na inovação dos seus processos

Fugir do tradicional, inovar, apostar em tendências…Tudo isso exige uma nova mentalidade e tempo de amadurecimento da ideia. Porém, temos certeza de que, se você apostar em um game para o onboarding e reboarding, não irá se arrepender.

“O onboarding e reboarding gamificado é uma oportunidade para relembrar as pessoas do propósito da organização, tornando o processo de aprendizagem muito mais fácil, envolvente e interessante”, destaca Fernando Seacero, fundador da i9Ação.

Por isso, o reboarding gamificado é uma ideia inteligente, pois faz com que os colaboradores (novos e antigos) possam interagir mais, desafiarem-se com as missões que existem no jogo, trocar mensagens e aprender juntos.

Gostou? Então, vem com a gente, aprenda mais e se livre do medo de investir em processos prósperos, modernos, criativos, únicos e diferenciados. Vamos lá?

 



o que é reboarding

Imagem: Marcus Souza

Certamente, você está acostumado com o termo “onboarding”, onde trabalhamos uma série de técnicas para integrar novos colaboradores. Porém, você já ouviu falar e sabe o que é reboarding?

Reboarding é um conceito novo que surgiu com a necessidade das empresas de se adaptarem ao novo cenário complexo que a pandemia desencadeou (principalmente com as adequações do trabalho home office e digitalização).

A ideia é: vamos aproveitar o que estamos elaborando para os novos colaboradores (onboarding) e adaptar para os colaboradores atuais. Assim, é possível mantê-los engajados com a organização e retomar conceitos como: valores, cultura, missão, visão, ética, compliance, dentre outros.

Agora que você já sabe porque o reboarding é a maneira de conectar os colaboradores aos novos tempos, vamos aprender mais sobre o que é reboarding. Venha conferir como ele pode ser uma ótima estratégia para o crescimento e desenvolvimento da sua empresa no mercado. Continue conosco!

 

O que é reboarding e como essa ideia surgiu?

Antigamente, o onboarding funcionava totalmente de forma presencial: a empresa agendava o Dia do Onboarding e, assim, os participantes ficavam de 4 horas a 2 dias em uma sala vendo uma apresentação (interminável) de conteúdos.

Quando os funcionários passam por essa experiência, eles não retêm muitos conhecimentos e, dias depois, provavelmente não se lembram de muitas informações importantes para seu trabalho. 

E o resultado?

O RH e as lideranças são bombardeados por perguntas sobre temas que já foram abordados anteriormente ou, pior, por não querer perguntar, o novo colaborador acaba demorando muito mais tempo para se adaptar na cultura e flow da empresa.



Revista Proteção SIPAT

Imagem: Marcus Souza

A edição nº 361 da Revista Proteção, publicação mensal especializada em Saúde e Segurança do Trabalho, trouxe em janeiro de 2022 uma nota destacando a plataforma gamificada para a realização da SIPAT, desenvolvida pela i9Ação. 

O texto indica que, segundo Fernando Seacero, fundador da i9ação, a demanda por esse tipo de solução de aprendizagem e engajamento para SIPAT digital cresceu muito nos últimos dois anos. Isso ocorre pela aderência que existe, principalmente, para o público de grandes operações.



REBOARDING

Imagem: Marcus Souza

Por: Fernando Seacero

O onboarding de novos colaboradores foi uma das rotinas da gestão de pessoas que precisou ser reinventada com a pandemia, abrindo a possibilidade para o modelo on-line e metodologias diferenciadas, como a gamificação.

De algo obrigatório e sonolento, cada vez mais as organizações descobrem que é possível sim transformar a extensa aprendizagem das boas-vindas da empresa em um processo mais rápido e divertido, muito menos exaustivo.

E, se quem entra na empresa pode se familiarizar com cultura nova, conteúdo e regras corporativas específicas de uma maneira diferente, por que não replicar o modelo de aprendizagem sobre a empresa para quem já faz parte do quadro de funcionários?

Foi assim que nasceu o conceito de reboarding.

Pouco conhecido no Brasil, o reboarding pode ser traduzido como um processo de reintegração. Envolve ensinar, atualizar ou relembrar um conteúdo para o colaborador, garantindo que todos estejam na mesma página, incluindo aqueles que estão fisicamente a milhares de quilômetros.

 

O reboarding pode ser utilizado nos mais diversos fins de aprendizagem, como:



educação focada no aluno

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Vou começar com uma breve história do tempo…

Até 1920, nos Estados Unidos, segundo John D. Couch, vice-presidente de Educação na Apple, em seu livro Rewiring Education 2018, a educação era direcionada e personalizada para os diferentes estilos de aprendizagem. As salas de aula possuíam um professor que direcionavam o ensino de forma mais focada nos alunos.

Na década de 1930, a fundação Rockfeller percebeu que precisavam “acelerar” a educação nos Estados Unidos e, assim, padronizaram o método e o conteúdo que era ensinado para que mais trabalhadores pudessem ser formados.

Esta padronização foi seguida por diversos países e a educação focada no aluno foi aos poucos se perdendo e dando lugar ao foco nos currículos básicos e na padronização do conteúdo muito mais do que na aprendizagem e nos alunos em si.

Isto teve um impacto que persiste até hoje na educação escolar e na educação corporativa que passaram, no último século, a padronizar o currículo escolar, desconsiderando necessidades individuais de aprendizagem.

Mas, o que pode de fato ser uma aprendizagem?

Recentemente, o estado de flow, fun theory e muitas outras teorias modernas sobre aprendizagem e educação voltam sempre para mesma pergunta: como a aprendizagem acontece e como podemos ampliar sua eficiência?



ideias de onboarding

Imagem: Marcus Souza

Conte para nós: como é e o que tem de mais bacana no processo de integração de colaboradores na sua empresa? Já pensou em investir em novas ideias de onboarding para tornar a integração mais digital e muito mais interessante do que os antigos processos praticados?

O problema dos modelos de onboardings tradicionais (expositivos) é gerar pouco engajamento e apresentar baixa retenção de informações (pouca aprendizagem).

Por isso, apostar em uma metodologia inovadora e participativa melhora esse engajamento inicial do colaborador, o que é fundamental para encantar e conquistar os recém-chegados nos primeiros meses de trabalho.

Assim, um dos impactos importantes dessa escolha é que a empresa consegue reter talentos e reduzir o turnover — alcançando o desafio de diminuir o número de desligamentos de colaboradores nos primeiros 6 meses de trabalho.

Portanto, investir em novas ideias de onboarding para enriquecer e modernizar o processo de integração é uma ótima oportunidade e, também, a solução para vários outros desafios econômicos e de produtividade.

Não sabe como fazer isso? Então, venha com a gente!

Vamos falar mais sobre a importância de conquistar o colaborador e apresentar 4 ideias de onboarding para atualizar o processo de integração na sua empresa.

Vamos lá? Boa leitura!

 

Qual é a importância de “pensar fora da caixa” na hora de considerar as ideias de onboarding para aplicar na empresa?



game personalizado, onboarding

Imagem: Marcus Souza

Implementar um game personalizado no processo de onboarding da sua empresa é uma excelente estratégia. Saiba como o processo, o time e a expertise da i9Ação ajudam a sua empresa a ter seu onboarding dos sonhos!

Algumas pessoas pensam que implementar um game personalizado no processo de onboarding é complicado. São – mesmo – muitos fatores, um trabalho primoroso, mas vale a pena! É o melhor que você e sua empresa podem oferecer ao novo colaborador, e por meio dele é possível também receber o melhor. Porque a recíproca é verdadeira!

Você quer saber mais profundamente como é possível fazer esse game de aprendizagem e porque ele é a ponte para a sua empresa alcançar os objetivos na hora de receber os colaboradores?

Antes, vamos lembrar apenas algumas das vantagens da gamificação no onboarding e o porquê estamos falando sobre game personalizado para resolver essa questão: 

  • encantar, conquistar e reter talentos;
  • ser uma empresa que optar por aplicar recursos inovadores e na melhoria contínua;
  • integrar o time de uma maneira lúdica e digital (ou híbrida);
  • ter a certeza de que o colaborador receberá um treinamento incrível para desempenhar bem o seu trabalho (e ter ele contribuindo com a equipe o mais rápido possível);
  • checar se os colaboradores lembram do conteúdo e ter a felicidade de saber que eles aprenderam mesmo.

Somado a isso, vale lembrar que o nível de engajamento digital gamificado é três vezes maior do que quando o processo não é gamificado.



treinamento compliance

Imagem: Marcus Souza

Será que está na hora de inovar e apostar em técnicas de treinamento compliance mais interessantes, como a gamificação? Venha conosco e aprenda!

Compliance vem do inglês “to comply”, ou seja, agir conforme a lei. Então, já no início da conversa, podemos notar que o treinamento Compliance é fundamental.

Afinal, o treinamento Compliance é essencial para que as empresas eduquem os seus colaboradores sobre as políticas corporativas internas e externas, procedimentos, leis e regulamentos que se aplicam na sua rotina. 

Você pode estar se questionando: vale a pena investir em treinamentos de Compliance em formatos tradicionais (como cursos e palestras)?

A resposta é: não, definitivamente, não vale a pena (e por uma série de motivos).

Por isso, a nossa dica é: invista na tecnologia e na inovação para alcançar melhores resultados.

Um bom treinamento em Compliance precisa apresentar situações do dia a dia para que os colaboradores aprendam quais são as melhores maneiras de agir.

Somente assim, eles “ensaiam” sobre as melhores atitudes, mais adequadas conforme a sua rotina.

De acordo com o sócio-diretor da i9Ação, Fernando Seacero, “Compliance costuma ser um assunto mais árido nas organizações. Por isso, se torna muito importante tratarmos a aprendizagem deste tema de forma mais atraente e lúdica do que os oferecidos nos métodos tradicionais, mas sem perder a seriedade do tema”.

Por isso, seus colaboradores precisam se sentir estimulados a aprender com as situações do dia a dia. E os treinamentos tradicionais muitas vezes não permitem isso.



cultura de segurança do trabalho

Imagem: Marcus Souza

Quer aprender a implementar a cultura de segurança do trabalho na sua empresa de forma rápida e eficiente? Venha conosco e confira 4 dicas infalíveis com o especialista em gamificação e aprendizagem. Vamos lá?

Nos últimos anos, desafios como Covid e a capilaridade das organizações complexificam ainda mais a missão de ensinar os colaboradores sobre a cultura de segurança do trabalho. Esse treinamento vai muito além de prevenir e diminuir acidentes no trabalho. Ele é essencial para que os colaboradores aprendam quais são os valores da empresa e quais comportamentos são os mais esperados diante de situações.

Então, a cultura de segurança do trabalho protege todo o ambiente organizacional, impactando de forma positiva nas atitudes dos colaboradores — tanto com relação à própria segurança quanto para contribuir para que as normas sejam, de fato, compartilhadas e compreendidas por todos.

Vamos aprender mais sobre a cultura de segurança do trabalho e como promover treinamentos realmente eficientes para os colaboradores? Venha conosco e conheça 4 dicas para implementá-la na sua empresa.