Gamificação pode melhorar os processos de Integração de Novos Funcionários

Gamificação pode melhorar os processos de Integração de Novos Funcionários

Descubra como melhorar os processos de Integração de Novos Funcionários e como facilitar o retorno prático de seus treinamentos no dia a dia

Receber bem os novos integrantes de sua empresa é uma ação essencial. Essa é a hora, por exemplo, de apresentar a história da companhia e mostrar como será o trabalho desse profissional recém-contratado.

Mais do que um momento de palestras e conversas, no entanto, essa é uma oportunidade para gerar resultados práticos desde o começo do trabalho, sabia?

Por isso, hoje, o AVATARH traz algumas dicas para melhorar sua Integração de Novos Funcionários e facilitar o retorno prático no dia a dia. Vamos lá?


i9acao_tipos_de Novos FuncionáriosVeja quais são os principais tipos de jogos para Integração de Novos Funcionários disponíveis no mercado e conheça as características e vantagens de cada modalidade de gamificação

Era uma vez uma empresa que fazia sempre a mesma coisa para receber seus novos colaboradores: primeiro, eles faziam um tour por todo o escritório; depois, ouviam horas de apresentações com a história da empresa, missão, valores…

Bom, quem acompanha o AVATARH já sabe que esse processo de integração cheio de PPT e reuniões não é nada produtivo.


IMG_1284Descubra como foi o primeiro Workshop da Amazing Game Builders, a nova plataforma de games digitais para aprendizagem da i9Ação

O mês de março marcou o primeiro encontro da nossa nova Plataforma de games digitais para aprendizagem: a Amazing Game Builders! E foi bem bacana, viu? Tivemos convidados especiais e a presença de profissionais do Hospital Albert Einstein, Telefónica, Cacau Show, Itaú e CWT, só para citar alguns!

E também tivemos muuuita gente que queria estar com a gente mas não conseguiu, principalmente porque não mora em São Paulo! Vocês pediram pra gente fazer uma transmissão online, mas o formato super interativo baseado em design thinking, post-its e unicórnios não permitiu – fiquem ligados que nossas próximas interações também serão digitais!


desenvolvimento da cultura corporativaDescubra porque o Empoderamento Criativo pode ser um caminho para acelerar o desenvolvimento da cultura corporativa em sua empresa e para gerar mais engajamento e motivação de seu time

OK, o tempo está cada vez mais curto e a quantidade de tarefas não para de crescer. Mas o que você faz, dentro de seu time, para lidar com esse novo cenário? Uma dica pode ser estimular o amadurecimento de sua equipe, a partir do chamado Empoderamento Criativo, ou Empowerment.

A gente já falou, aqui no Avatarh, o que é o Empoderamento e como você pode aplicá-lo. Mas talvez você não saiba o porquê e nem como o Empowerment vai melhorar de verdade seu dia a dia. Se esse é seu caso, pense o seguinte:


Game JAMComandado por Fernando Seacero, sócio-fundador da i9Ação, Game JAM foi uma das atividades especiais do congresso internacional sobre estratégia e cultura organizacional promovido pela Harvard Business Review Brasil

Mostrar como é possível gerar aprendizado dentro de um ambiente de trabalho, utilizando ferramentas inovadoras de gamificação e empoderamento criativo. Este é o grande objetivo do Game JAM, experiência de cocriação de jogos desenvolvido pela i9Ação e que foi um dos destaques do HBR Brasil Week, congresso internacional sobre inovação, liderança, estratégia e cultura organizacional realizado pela Harvard Business Review Brasil.

Desenvolvido e apresentado por Fernando Seacero, sócio-fundador da i9Ação, o LAB do Game JAM aconteceu no dia 26 de setembro, no primeiro dos dias de atividades que o Centro de Convenções FECOMERCIO SP recebeu no evento, com palestras, experiências e workshops sobre recursos humanos.


TrabalhoAo entrar no mercado de trabalho, tenho certeza que não foi só minha a busca por uma forma de manter, ao menos, um pouco da sensação de criatividade e liberdade. Alguns encontraram!

Um dia, ainda na época de universidade, um amigo meu escreveu uma carta para si mesmo. A carta era uma despedida, da vida e da liberdade vivida até ali, para entrar (como ele definiu) no “mundo dos homens sérios, onde nosso pescoço é preso por uma gravata e nossas ideias limitadas por sua patente”.

A partir destas inquietações, iniciei meus estudos no último ano universitário sobre memória, desenvolvimento humano, engajamento e prazer no trabalho. E, após alguns anos de experiência de trabalho, percebi que a necessidade de metodologias e estratégias para facilitar o engajamento e a felicidade, em diferentes posições e funções nas organizações, era uma grande oportunidade.