REBOARDING

Imagem: Marcus Souza

Por: Fernando Seacero

O onboarding de novos colaboradores foi uma das rotinas da gestão de pessoas que precisou ser reinventada com a pandemia, abrindo a possibilidade para o modelo on-line e metodologias diferenciadas, como a gamificação.

De algo obrigatório e sonolento, cada vez mais as organizações descobrem que é possível sim transformar a extensa aprendizagem das boas-vindas da empresa em um processo mais rápido e divertido, muito menos exaustivo.

E, se quem entra na empresa pode se familiarizar com cultura nova, conteúdo e regras corporativas específicas de uma maneira diferente, por que não replicar o modelo de aprendizagem sobre a empresa para quem já faz parte do quadro de funcionários?

Foi assim que nasceu o conceito de reboarding.

Pouco conhecido no Brasil, o reboarding pode ser traduzido como um processo de reintegração. Envolve ensinar, atualizar ou relembrar um conteúdo para o colaborador, garantindo que todos estejam na mesma página, incluindo aqueles que estão fisicamente a milhares de quilômetros.

 

O reboarding pode ser utilizado nos mais diversos fins de aprendizagem, como:



educação focada no aluno

Imagem: Marcus Souza

Por Fernando Seacero

Vou começar com uma breve história do tempo…

Até 1920, nos Estados Unidos, segundo John D. Couch, vice-presidente de Educação na Apple, em seu livro Rewiring Education 2018, a educação era direcionada e personalizada para os diferentes estilos de aprendizagem. As salas de aula possuíam um professor que direcionavam o ensino de forma mais focada nos alunos.

Na década de 1930, a fundação Rockfeller percebeu que precisavam “acelerar” a educação nos Estados Unidos e, assim, padronizaram o método e o conteúdo que era ensinado para que mais trabalhadores pudessem ser formados.

Esta padronização foi seguida por diversos países e a educação focada no aluno foi aos poucos se perdendo e dando lugar ao foco nos currículos básicos e na padronização do conteúdo muito mais do que na aprendizagem e nos alunos em si.

Isto teve um impacto que persiste até hoje na educação escolar e na educação corporativa que passaram, no último século, a padronizar o currículo escolar, desconsiderando necessidades individuais de aprendizagem.

Mas, o que pode de fato ser uma aprendizagem?

Recentemente, o estado de flow, fun theory e muitas outras teorias modernas sobre aprendizagem e educação voltam sempre para mesma pergunta: como a aprendizagem acontece e como podemos ampliar sua eficiência?